Chocolate também é amigo da saúde

Composto por poderosos antioxidantes que previnem doenças crônicas e o envelhecimento precoce

Difícil começar esse texto sem cantarolar a música do Tim Maia: “Chocolate! Chocolate! Chocolate! Eu só quero chocolate, só quero chocolate”. Conhecido e desejado mundialmente, poucos são aqueles que resistem a essa tentação. Mas será que devemos resistir a ele ou ceder aos seus encantos? Continuar lendo “Chocolate também é amigo da saúde”

Cacau brasileiro é ruim. Só que não…

Com seleção extremamente cuidadosa, produtores tem colocado o país no mapa do cacau de qualidade

Há quem jure de pé junto que os melhores chocolates do mundo estão na França, na Bélgica e na Suíça. Esses países da Europa têm forte tradição em chocolate porque foram pioneiros no processamento da iguaria e se dedicaram a fazer chocolate artesanal, com cacau selecionado e manteiga de cacau pura, sem adição de conservantes e aditivos químicos. Continuar lendo “Cacau brasileiro é ruim. Só que não…”

O erro que virou acerto

Quando perder o ponto do brigadeiro nos faz achar outra receita

O telefone tocou. Era a tia Ivone cheia de assunto, para comentar o último capítulo da novela. Atendi na cozinha, mexendo, desajeitada, uma receita de brigadeiro tradicional, que seria meu presente de aniversário para uma colega da redação. Continuar lendo “O erro que virou acerto”

Do cacau ao brigadeiro

Para garantir a qualidade do doce que amamos, processamos nossas próprias amêndoas de cacau para fazer o chocolate que vai para a panela

Desde que abri a primeira loja do país especializada em brigadeiro, há quase dez anos, tenho defendido que o que define a qualidade do brigadeiro é o chocolate que vai na receita. Convencida disso, sempre botei na panela as melhores barras de chocolate as quais tinha acesso – aquelas que a maioria das pessoas não ousaria aproximar do fogão. Continuar lendo “Do cacau ao brigadeiro”

Gente como a gente

Organizando os livros na estante encontrei três leituras que me inspiraram a empreender.

Não tenho formação em negócios e confesso que pouco consegui entender dos livros de administração que me propus a ler antes de abrir uma loja de brigadeiro. Passei a fugir de qualquer literatura do gênero,  até ganhar de uma amiga o divertido e despretensioso “Se você não tem bunda, use laços no cabelo” (Ed. Planeta). Continuar lendo “Gente como a gente”